Campanha para doadores de medula óssea atinge 419 cadastros

Por Rosângela Cruz  

altA ação do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) em parceria com a Faculdade Maurício de Nassau - unidade Aracaju resultou na coleta de 419 amostras durante a primeira campanha para o cadastro de medula óssea. Os novos voluntários serão inseridos no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome).

 

Toda a comunidade acadêmica se mobilizou em prol da campanha solidária. O diretor geral da instituição de ensino, Wagner Barreto Soares,  destacou a importância da faculdade abraçar a causa.

 

“Sempre nos colocamos à disposição para desenvolver as campanhas sociais. Fazemos vários eventos mensais. Essa parceria com o Hemocentro e o apoio da coordenação dos cursos de saúde com essa ação aqui é importante. Poder contribuir com esse tipo de atividade é gratificante e perceber o envolvimento de toda a nossa comunidade acadêmica em prol dessa ação solidária fortalece a todos que compõe”, frisou.

 

Marcos Aurélio Viana de Oliveira, acadêmico de Pedagogia, fez o cadastro por avaliar ser um gesto de amor ao próximo. “Precisamos de boas ações nesses tempos de dificuldades vivenciados por todos. Só em saber que posso ajudar uma pessoa que pode estar precisando, me sinto feliz”, ressaltou.

 

Doador de sangue, Ezequiel Oliveira Martins, que cursa Engenharia Mecânica decidiu preencher o cadastro durante a campanha na Faculdade Maurício de Nassau.

 

alt“Sempre vou ao Hemose ajudar com a doação, só não tinha feito ainda o cadastro. Hoje vi os colegas comentaram no grupo da campanha. Considero importante ajudar, por isso também decidi ser candidato a doador de medula óssea”, completou Ezequiel.

 

“Todas as pessoas devem se cadastrar, porque aumenta a chance de cura para pacientes em tratamento. Esse pequeno gesto para o paciente que espera um doador compatível será a diferença entre a vida e a morte. Ser um doador de medula óssea é um ato de solidariedade e amor ao próximo”, enfatizou Vitoria Marques, acadêmica de enfermagem.

 

Para a assistente social e gerente de Captação de Doadores do Hemose, Rozeli Dantas, a campanha superou as expectativas.

 

“A campanha foi de extrema valia para o hemocentro pelo fato de conseguirmos ter acesso a um público mais esclarecido em relação ao tema saúde. É bem mais fácil trabalhar com os estudantes, pois eles têm responsabilidade social e são potenciais propagadores do cadastro de medula”, avaliou.