Hemose reforça importância de alimentos ricos em ferro para o doador de sangue

Por Rosângela Cruz

alt Dados do Centro de Hemoterapia de Sergipe (Hemose) revelam que, de janeiro a agosto deste ano, 1.510 voluntários não realizaram a doação de sangue em função da hemoglobina baixa, ou seja, os níveis de ferro presentes no sangue estavam abaixo do recomendado para doar. O serviço de coleta de sangue prioriza a segurança do doador e do receptor.

 

O Hemocentro utiliza a dosagem de hemoglobina ou o micro-hematócrito como métodos de triagem.  A metodologia cumpre a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 34, de 11 de junho de 2014, do Ministério da Saúde (MS), que determina as condições necessárias para se tornar um doador de sangue. Os valores mínimos e máximos para liberação da doação são os seguintes: Hemoglobina - homens de 13mg/dl a 18mg/dl, e mulheres, 12,5mg/dl a 16mg/dl (miligrama/decilitro). Já para micro-hematócrito: homens maior ou igual a 39% e menor que 54%, e mulheres maior ou igual a 38% e menor que 54%.

 

Esse serviço é realizado no setor de pré-triagem do doador, que também verifica a medição do peso e altura, aferição da pressão arterial e a dosagem da hemoglobina, que são os níveis de ferro presentes no sangue do candidato à doação.

 

“No caso de não atingir esses volumes/índices, o voluntário é considerado inapto para doação e é orientado a procurar um serviço de saúde para realização de exames laboratoriais”, explica a enfermeira Florita Aquino, gerente de Coleta do Hemose.

 

De acordo com Florita Aquino, os sintomas da carência de ferro são inespecíficos, exigindo a realização de exames laboratoriais para confirmação do diagnóstico de anemia. Ela explica que esse tipo de deficiência nutricional pode atingir crianças, gestantes, lactantes, adolescentes e mulheres adultas em fase de reprodução, e, homens adolescentes, na fase adulta e idosa.

 

“Ao avaliar um quadro de possível anemia, sugerimos que o voluntário procure seu médico para solicitação de exames mais detalhados, e também prestamos orientação alimentar, com a ingestão de alimentos ricos em ferro. Os serviços do Hemocentro visam a garantia da saúde do doador e a segurança do paciente que receberá a transfusão sanguínea”, complementa.

 

altA enfermeira cita, ainda, que as melhores fontes naturais de ferro são as de origem animal, como fígado. Entre os de origem vegetal tem o feijão, grão-de-bico, fava, lentilha, ervilha, grãos integrais, nozes, castanha, rapadura, açúcar mascavo e as hortaliças (couve, agrião, taioba, salsa), além da farinha de trigo e milho, cereais matinais, suco de jenipapo, entre outros.

 

Doação de sangue

 

Estão aptos a doar sangue candidatos em bom estado de saúde, idade entre 16 anos completos e 69 anos, peso acima de 50 Kg. Menor de 18 anos somente com termo de autorização dos pais ou responsável legal. É necessário portar documento de identidade original, com foto, válido em todo território nacional. Mais informações, através dos telefones (79) 3225-8000, 3225-8039 e 3259-3174.

População ainda passa trotes ao Samu: na última semana foram 1.151 ligações falsas

Por Luiza Sampaio 

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192 Sergipe), responsável pelo atendimento pré-hospitalar no Estado, recebeu, entre os dias 12 e 18 de setembro, um total de 1065 solicitações de envio de ambulância e prestou 56 orientações médicas por telefone. Para atender as ocorrências, foram utilizadas 33 motolâncias, 180 Unidades de Suporte Avançado (USA) e 770 Unidades de Suporte Básico (USB).

 

O balanço da última semana mostra, ainda, o registro de 1.151 trotes no período. “Infelizmente, a prática criminosa insiste em ser realizada pela população. Temos intensificado o trabalho de educação e orientação, especialmente através do contato com os jovens, inclusive nas redes sociais, mas as chamas falsas ainda ocorrem. Por isso, insistimos no comprometimento da sociedade para que a qualidade do serviço não seja afetada”, ressalta a superintendente do Samu, Maria Lúcia Santos.

 

Nos atendimentos por causas externas, foram registrados 69 pacientes vítimas de queda de moto, 49 de colisões entre carro e moto, 38 pessoas que sofreram quedas, a mesma quantidade com ferimentos por agressão física e 27 com ferimentos por arma de fogo.

 

“O balanço ainda mostra nove vítimas de colisão entre motos, oito com ferimentos por arma branca, oito pessoas que foram atropelas e sete que sofreram quedas de bicicleta”, detalha a gestora.

 

Sriha

 

Foram realizadas 309 remoções totais e 189 assistenciais pop Serviço de Remoção Inter-Hospitalar Assistida (Sriha). Entre as totais, 127 foram de logística, 107 para realização de exames, 60 transferências, quatro gestantes de baixo risco e sete avaliações de especialista.

Hospital Regional de Lagarto atendeu quase 1.400 pacientes na semana passada; 75 foram vítimas de quedas

Por Tito Lívio de Santana

altO número de pacientes envolvidos em quedas (da própria altura, de telhados e escadas) e acidentes motociclísticos atendidos no pronto socorro do Hospital Regional Monsenhor João Batista de Carvalho Daltro (HRL), em Lagarto, na região Centro-Sul de Sergipe, voltou a registrar aumento na semana passada.



De acordo com os dados do Sistema Integrado de Informatização do Ambiente Hospitalar (Hospub), do Ministério da Saúde, entre a segunda-feira, 12 e o domingo, 18, o HRL atendeu 1.376 usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), entre atendimentos clínicos, pediátricos, ortopédicos e cirúrgicos. 



Deste total, de acordo com os dados do Hospub, na semana passada 75 pessoas vítimas de quedas foram atendidas no Pronto Socorro do HRL, número 17% maior que o registrado entre os dias 5 e 11 de setembro, quando o Hospital Regional assistiu 64 pacientes  por esse tipo de atendimento.



É o caso do pedreiro A.A.S., de 35 anos, natural da cidade de Lagarto, internado desde a última quinta-feira (15) na unidade hospitalar. 

 

“Eu estava trabalhando, caí de um andaime e acabei fraturando o fêmur. Antes, já precisei outra vez do hospital quando sofri um acidente de moto e desloquei a clavícula. O atendimento que recebi até agora é bom”, disse o pedreiro que será submetido ainda a uma intervenção cirúrgica.



Trânsito



Em relação à violência no trânsito, o número de pacientes atendidos entre a segunda-feira e o domingo passado registrou um aumento de 11% em comparação à semana anterior, compreendida entre os dias 5 e 11 deste mês, quando o HRL assistiu 50 vítimas. Na semana passada, o Hospital Regional de Lagarto atendeu a 56 pacientes envolvidos em acidentes de trânsito, sendo que destes, pelo menos 92%, ou seja, 52, foram vítimas de acidentes motociclísticos. 



No mesmo período, o HRL ainda assistiu duas pessoas que sofreram atropelamentos e mais duas envolvidas em acidentes automobilísticos. 



altTambém na semana passada, o HRL, gerenciado pela Fundação Hospitalar de Saúde (FHS), também atendeu seis casos de violência urbana, dos quais quatro por agressões físicas e duas vítimas de ferimentos por arma de fogo. Não houve registro de pacientes feridos por arma branca, a exemplo de faca, facão e canivete.



No mesmo período, 37 pacientes deram entrada no hospital com algum tipo de trauma e 11 por intoxicação. Ainda de acordo com o levantamento, cinco usuários sofreram picadas de animais e cinco foram atendidas depois de mordidas por cães. Uma pessoa foi atendida na urgência da unidade após sofrer queimaduras pelo corpo. 
 

 

Cobertura



O Hospital Regional de Lagarto, que passa atualmente por processo de federalização para se transformar em hospital universitário, é responsável por garantir cobertura assistencial a uma população estimada em 250 mil habitantes, dos seis municípios que integram a Microrregião Centro-Sul de Saúde – Lagarto, Salgado, Simão Dias, Poço Verde, Riachão do Dantas e Tobias Barreto. 



No entanto, devido à sua localização estratégica, o HRL atende ainda pacientes advindos de outras regiões do Estado, como Campo do Brito e São Domingos, no Agreste, Boquim e Estância no Sul sergipano, além de municípios baianos circunvizinhos e que fazem divisa com Sergipe, como Paripiranga, Adustina, Nova Soure, Itapicuru, Cícero Dantas, dentre outros. O HRL presta assistência nas áreas de Clínica Médica, Ortopedia, Pediatria, Ultrassonografia, Nefrologia e Terapia Intensiva, dispondo de uma UTI com dez leitos.

Hospitais Regionais registram grande fluxo de atendimento no final de semana

Por Luiza Sampaio

altO final de semana foi intenso nos Hospitais Regionais geridos pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), através da Fundação Hospitalar (FHS). Em Nossa Senhora do Socorro, foram 861 pacientes atendidos entre os dias 17 e 19 de setembro, nas especialidades Clínica Médica (624), Pediatria (153) e Obstetrícia (84). Segundo o balanço da unidade, nesse período, apenas 13 pessoas necessitaram de internamento.

 

“Todos os outros pacientes receberam assistência médica e, logo após, foram liberados para casa, comprovando a eficácia do atendimento oferecido neste Regional”, avalia a superintendente da unidade, Genisete Pereira. 

 

Foram realizadas duas transferências para o Hospital de Urgências de Sergipe (Huse), por se tratarem de casos de alta complexidade. Já na maternidade, foram 12 partos e três procedimentos de curetagem.

 

Em Estância, o Hospital Regional Dr. Jessé de Andrade Fontes, recebeu 527 pacientes no período, sendo 288 direcionados ao setor Clínica Médica, 81 ao Cirúrgico e os outros 98 para a Pediatria. 

 

“Foram 23 internamentos, 451 altas médicas, 20 procedimentos cirúrgicos realizados, além de sete transferências para outras unidades da Rede Estadual, todos casos de alta complexidade”, informa a superintendente da unidade do Sul sergipano, Luciana Carvalho. 

 

altPropriá e Glória

 

Já no Hospital Regional São Vicente de Paula, em Propriá, foram 875 pacientes recebidos no final de semana. A especialidade com o maior número de atendimentos foi a Clínica Médica, com 436 pessoas, seguida pela Pediatria, com 191, Ortopedia, com 119, Clínica Cirúrgica, com 64, e, por fim, a Ginecologia, com 40 pacientes. 

 

“Foram três dias intensos, com nove cirurgias eletivas realizadas, 10 internamentos e seis partos na maternidade”, informa a superintendente, Ana Paula Rocha.

 

Em Nossa Senhora da Glória, o Regional registrou o atendimento a 621 pessoas, sendo 454 na Clínica Médica, 130 na Pediatria e 37 na Obstetrícia. Além disso, a maternidade contabilizou a realização de nove partos, seis curetagens e 22 avaliações em gestantes. Segundo a superintendente da unidade do Alto Sertão, Dejane Santana, um fluxo um pouco maior que a média. 

 

“Tivemos 13 internamentos e seis remoções para outros Hospitais da Rede. Números que mostram a resolutividade e eficiência do serviço prestado”, avalia a gestora.

Huse contabiliza mais de 2600 atendimentos durante a semana

Por Júnior Matos

altO Pronto Socorro do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse) realizou 2675 atendimentos na última semana, de acordo com oSistema Integrado de Informatização de Ambiente Hospitalar (Hospub). Deste total, 2249 receberam alta médica com menos de 24 horas, o que caracteriza assistência de baixa complexidade.

 

Mesmo com grande procura pelo atendimento de casos que deveriam estar nas UPAS e Postos de Saúde, o Huse mostra a sua resolutividade. Na área Azul adulto, 711 atendimentos de baixa complexidade foram realizados.

 

“O Huse adota o regime porta aberta, de acordo com o que preconiza o Ministério da Saúde (MS). A unidade realiza a assistência sem distinção, oferecendo o melhor serviço possível. A demanda exacerbada na Ala Azul gera superlotação e dificulta a fluidez do atendimento, que deveria ser focado na média e alta complexidade. Mesmo assim, todos os pacientes recebem toda a assistência", explica A superintendente do Huse, Lycia Diniz.

 

Entre os principais setores mais realizaram prestação de assistência na temporada estão: 392 casos na Ortopedia, 494 na sutura, entre outros. Já entre os principais aspectos que motivaram pacientes a procurar o Huse, 140 foram vítimas de acidentes de moto, 20 de acidentes de carro, 158 casos de dores abdominal, 50 dores de cabeça, 57 dor de ouvido, 100 casos de queda, entre outros.

 

A paciente Marília dos Santos, 26, procurou assistência no Huse por apresentar os sintomas de febre e garganta inflamada.

 

 “Não consegui atendimento no local onde moro, bairro Pereira Lobo. Aqui, fui logo atendida pelos médicos. Tomei a medicação e neste momento sigo em observação. Gostei muito do atendimento do hospital”, declarou.

 

Outros Atendimentos

 

Outras especialidades também tiveram seus plantões movimentados como oftalmo e otorrino, que somaram 12 atendimentos. Os ambulatórios de Oncologia, Radioterapia, Nutrição, Fisioterapia e Psicologia registraram 210 pacientes.

 

Já Hospital Pediátrico Drº José Machado de Souza, anexo ao Huse, atendeu a 444 pacientes infantis. Desses, apenas 62 ficaram internados. O Hospital Pediátrico já funciona com o protocolo de classificação de risco, adotado para melhorar a dinâmica de atendimento dos pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).